Falcão e o Soldado Invernal: Madripoor, Wolverine e a "Redenção" do Barão Zemo

2/4/21

Finalmente no dia de hoje tivemos o terceiro episódio de Falcão e o Soldado Invernal e se o segundo nos revelou algumas informações sobre o passado sombrio por trás do soro do Super Soldado ser usado na série, o terceiro consolida a busca por respostas e nos apresenta os motivos do Barão Zemo ser o maior vilão presente em todo o Universo Cinematográfico Marvel.

Recapitulando os acontecimentos do UCM até Vingadores Guerra Infinita/Ultimato é impossível não citar Guerra Civil e seus drásticos impactos sobre os heróis mais poderosos da Terra, pois como o próprio Soldado de Sokovia falou durante o filme de 2016, homens mais poderosos já tentaram derrubar os Vingadores.

Loki, um deus asgardiano, articuloso e poderoso e Ultron, uma inteligência artificial dotada de um grande intelecto e um corpo inteiramente feito de Vibranium não foram capazes de fazer o que um simples homem com recursos e dom para estratégia conseguiu, fez as principais mentes por trás da equipe se confrontarem para defender aquilo que mais prezavam, separando o grupo e preparando terreno para que Thanos conseguisse pegar individualmente as Joias do Infinito que estariam em posse dos terráqueos e, é claro, enfrentar um Capitão América desmotivado e sem propósito.

Após a exibição de Guerra Civil, muitos fãs ficaram frustrados pela aparente mudança na hsitória de Zemo que diferentemente das HQs não era um aristocrata alemão, mas um soldado das Forças Especiais de Sokovia dotado apenas da clássica força do ódio, no filme, não vimos sua icônica máscara e não vimos nenhuma menção ao baronato de Zemo.

Mas Falcão e o Soldado Invernal veio justamente para reescrever a história de Zemo, agora Barão Zemo, dentro do Universo Cinematográfico Marvel, mostrando que além da velha força do Ódio, o personagem tinha grandes recursos e contatos, que facilitaram e muito sua incursão em busca de vingança, articulando um plano infalível para destruir Os Vingadores.

Primeiramente foi mostrado que apenas uma pequena brecha na segurança cedida por Bucky foi o suficiente para o personagem articular uma fuga da prisão sem precisar de nenhum ato mirabolante, ou lutas chamativas, como costumamos ver nos filmes de ação, após isso, fomos sucessivamente apresentados à detalhes que mostram o quão rico o personagem é, com coleções de automóveis raros, avião particular e inúmeros contatos e reputação no submundo.

Todo o episódio funcionou como uma forma de redenção do personagem aos olhos dos fãs que estavam insatisfeitos com a "falta de fidelidade" do personagem a sua versão dos Quadrinhos, seu plano infiltração em Madripoor e o assassinato do cientista por trás do Soro do Super Soldado em um momento oportuno evidencia que ainda há muito do personagem para descobrirmos, e ao final, quando vimos sua cena de luta no porto da ilha, temos plena certeza que sua inteligência é sua maior arma, mas que combinada com sua agilidade e habilidades de luta, o personagem possui grande potencial para ser explorado no UCM.

Outros pontos importantes

Foto

Nem só de Barão Zemo foi feito o terceiro episódio, mas também de grandes momentos que nos fazem refletir, primeiramente, o episódio aponta outra crítica sutil ao governo dos Estados Unidos ao mostrar que a CIA financiou não só os experimentos em Isaiah Bradley, mas também o aperfeiçoamento do Soro, criando basicamente um componente perfeito que transforma pessoas improváveis não apenas em super soldados, mas também em super espiões, já que sua estrutura física não se altera como a de Steve e Isaiah.

Outro grande ponto de reflexão foi a vida que Sharon Carter levou após a Guerra Civil, pois do ponto de vista cinematográfico, a personagem basicamente sumiu do universo dos filmes, mas do ponto de vista da construção de roteiro, foi dado uma linha de história totalmente independente à personagem, mostrando que seu treinamento, habilidades de espionagem e é claro, sua inteligência em campo foram suas únicas armas para se esconder do governo dos EUA que foi capaz de perdoar Bucky, teoricamente um assassino frio e psicologicamente instável, mas não uma de suas maiores heroínas, no que diz respeito à carreira militar.

Madripoor

Foto: Marvel Comics

Talvez uma das coisas que mais me animaram desde os vazamentos de imagens de set de filmagens, é a presença da ilha cyberpunk de Madripoor, país fictício pertencente ao Univeso Marvel das HQs.

Fãs de X-Men e Wolverine (mais especificamente) devem ter ficado mais atentos a partir do momento em que o nome da ilha foi mencionado, pois é nela que a maior parte das HQs de Wolverine se passam durante os anos 80 e 90.

Assim como grandes obras da cultura cyberpunk como o próprio Cyberpunk 2077, Vingador do Futuro e Blade Runner, a ilha é dividida entre a cidade alta, que concentra a maior parte das riquezas, tecnologia e o que conhecemos como "civilidade", enquando a cidade baixa é onde a criminalidade violenta se concentra, e em grande parte motivada pela pobreza que mais se assemelha ao estilo de vida do século XVII.

Diversos personagens possuem ligação com a ilha como a Víbora e o Tigre Sorridente, referenciado no episódio. A inclusão do ambiente no Universo Cinematográfico Marvel pode indicar que os mutantes estão cada vez mais perto de serem incluídos de vez na próxima fase do estúdio. Será que futuramente a dupla poderá voltar à Madripoor? Será que Wolverine pode ser introduzido no UCM?

Por: PhMordred

As notícias mais quentes