CyberHorus - A crônica de Tot Capítulo 7 - Salto de Fé

17/11/20

Tot, o deus egípcio dos escribas é famoso pelos seus contos e crônicas, desta vez em conteúdo original, será iniciada uma série escrita que contará a história de um futuro distópico governado pelo misterioso Deus Hórus e suas células de poder.A história possui elementos Cyberpunk e Steampunk e contará uma jornada de autoconhecimento do misterioso Amon.

Perdeu o capítulo anterior?

Capitulo 7 - Salto de Fé

Amon liderou o grupo até a borda mais extrema de ArbCell, os três amigos estavam diante do imponente Sobek, o pequeno sol de Hórus iluminava sua pele e a luz que refletia de sua máscara parecia queimar os rostos cansados de Amon, Sin (à sua esquerda) e Hatset (à sua direita). A máscara negra de Sobek brilhava como se não houvesse cor no metal tendo apenas o puro brilho espelhado do aço, era impossível encarar sua face diretamente, a máscara já não parecia mais tão escura e opaca como nos subterrrâneos de ArbCell, Sin parecia tão deslumbrado que jurara para si mesmo que conseguia ver Sobek se fortalecer e reenergizar.

Após um longo momento de silêncio e admiração do trio por Sobek e de Sobek pelo pequeno sol ao centro de HelioCell, a grave voz profunda do Deus rompeu o silêncio como um trovão em meio a mais severa das tempestades, algo que Amon nunca viu antes, mas de alguma forma sentia familiarizado com isso.

- Bom... Muito bom... - disse Sobek - Vocês conseguiram, provaram minha inocência de forma justa ao invés de apontar culpados, devo ser sincero e talvez Hórus me puna por isso, mas preciso realmente ser honesto com vocês. Hator me disse que as ordens de Hórus era matá-los desde o início, mas como eu precisava de ajuda, ela o convenceu a enviá-los para cá em uma missão claramente sem sucesso e aí sim eu deveria ceifar vossas vidas sem piedade.

Os amigos se entreolharam e assustados voltaram os olhares ao Deus majestoso e iluminado que continuou.- Eu não faço isso, não tenho a frieza de Hator ou o desejo de sangue de Sekhmet, sua outra face. Eu controlo as águas, a água é fonte da vida, eu deveria criar vida e não tirar. Eu tive uma conversa séria com meu pai quando estavam fora e o convenci a dar-lhes uma chance de redenção por interferirem na inocência e devoção de Seu povo, se eu mandar vocês de volta, tudo o que Hórus construiu poderá ruir com os questionamentos. Sinthemet e Hatset são fiéis a Amon, isso eu já percebi, mas e Amon será fiel ao nosso Pai supremo, Hórus?- Sim... Eu... Sou... - disse Amon.

- Mentiroso! - gritou Sobek - Você diz isso, pois teme que eu tire a vida de seus inúteis amigos, quer me enganar e achar que sou misericordioso, simplesmente por ter aversão à morte, mas isso não me impede de matar, então seja honesto comigo, seu verme imundo, da forma como fui honesto com você!

- Eu fui fiel à Horus, mas questiono Sua autoridade. Desde o momento em que vi o que fazia com nossos anciãos, a forma como nos prometeram vida diferente e mais digna, a forma como exploram nosso povo e nossa devoção. Acho que hoje sou mais fiel aos meus amigos que estiveram do meu lado, defendendo a mim contra um fiel de hórus que foi traído e destruído, nos defendendo da ira de Hator e nos ajudando durante a investigação para salvar a você, um filho de Hórus que foi enganado por seus próprios protetores e abandonado pela única pessoa que deveria estar do seu lado. Não tenho mais medo de Hórus, mas ainda o respeito pela construção e proteção que fornece ao povo que ele mesmo oprime, mas não creio que ele vá me fazer mal diretamente e se fizer mal aos que amo, sei que ele não terá nem meu respeito mais.Neste momento Sobek deu uma gargalhada intensa que parecia poder ser ouvida em HelioCell, ele estufava seu peito e ao soltar seu riso estridente seu corpo balançava como em uma sincronia musical.

- Você é muito corajoso, mas será que é o bastante para pular ao deserto proibido? Essa será sua punição, Hórus está falando comigo agora - a máscara de Sobek tinha um brilho ao lado da orelha, como o do Líder da Guarda Solar em HexaTri e Hator em TriCell - ele disse que lhe assegurará um pouso sem danos, mas você precisa ter fé nele, assim como seus amigos, caso você falhe, ou lhe falte coragem, a última coisa que você verá será um monte de areia e a última coisa que sentirá é o gosto do mais pobre sangue de um operário de construção sujo que teve a oportunidade de ter uma vida digna colhendo os mais suculentos pêssegos do pomar de Hator e cuspiu sua única chance como aqueles podres imundos que fediam o mesmo suor que você.

- Você está certo numa coisa, Sobek - disse Amon - eu sou sim um operário sujo e sangue pobre corre em minhas veias, e tive a oportunidade de ter uma vida melhor colhendo os mais doces frutos e com certeza está certo quando diz que cuspi em minha oportunidade, mas você não tem o direito de dizer que meu povo é fedido, pois nosso cheiro e nosso suor é o combustivel que seu Deus imundo e manipulador precisa, ele necessita de nossa dor e nosso medo para achar que é grandioso, mas saiba de uma coisa, o que irá me manter vivo não é a devoção a Hórus, não é a lealdade a quem vira as costas ao seu povo, - nesse momento os sintomas de uma crise forte de ansiedade invadia seu corpo, sua respiração estava curta, sua visão turva e os tremores tomaram conta de seu corpo, ele não ouvia mais suas palavras e a única coisa que podia sentir além da angústia era o gosto de suor seco descendo sua garganta - minha lealdade é com quem foi leal a mim e esteve do meu lado, vou saltar, mas tenha certeza de que quando me ver de novo, milhares estarão me seguindo, a última coisa que você verá será seu corpo sem vida cair ao lado de sua cabeça e a última coisa que sentirá é medo.

Foi então que Amon franziu seu cenho como se seu rosto fosse desaparecer em meio a ira e dor, ele correu até a borda de ArbCell, fechou os olhos e pulou com os braços abertos com o peito iluminado pelos sóis da Terra, pela primeira vez ele pode sentir a energia da luz, uma energia diferente da luz do pequeno sol de HelioCell, seu ataque de ansiedade ainda latejava forte em seu corpo, como se o castigasse, mas a consentração na energia nova de um sol melhor e mais quente que ele podia sentir se tornara maior que tudo aquilo.Sua queda durou poucos segundos mas era como se ele sentisse cada rajada de vento que acariciava sua pele, ele virou o corpo para cair de costas e não ver a areia, como Sobek disse que iria acontecer, ao invés disso ele viu dois pontos de sombra em meio a luz, Sinthemet e Hatset o acompanhavam na queda, e a força e lealdade dos três se uniram selando para sempre o laço forte de amizade dos três e foi quando Amon sentiu o impacto em suas costas, o fazendo afundar na areia, era quase como se um milagre o deixasse vivo, a adrenalina abaixou após Hatset e Sin saírem em meio a imensidão de areia, seus batimentos permaneciam altos e a respiração curta, mas ele apenas abraçou seus amigos.

Os risos de alívio invadiam o deserto quente e aparentemente morto, as horrendas criaturas tementes à sombra pareciam não existir e o medo do exílio desaparecera, tornando a visão dos três amigos mais claras de que a proteção divina não passava de histórias fantásticas, afinal se Hórus quisesse matá-los ele poderia sair de HelioCell e fazê-lo pessoalmente com seu poder divino. Amon então acalmou-se e disse aos seus amigos.

- Vamos andando até HexaDuo, quero entender a lenda e descobrir o que realmente aconteceu lá, nem que para isso tenha que enfrentar os piores monstros desse deserto, precisamos entender o que aconteceu lá e assim matar Hórus de uma vez por todas!

- Estava esperando você dizer isso - uma voz ecoou de uma nave da Guarda Solar que havia sido derrubada há muitos anos e estava a poucos metros dos amigos.Um homem saiu em meio às sombras, ele vestia um uniforme como o da Guarda Solar, mas parecia um modelo mais antigo, seu rosto estava coberto por um turbante e seus olhos por um par de óculos como os que Amon e Sin usavam no canteiro de obras, ele carregava consigo uma arma antiga da Guarda Solar e em sua cintura estava amarrado um capacete da guarda, o dourado reluzia no sol e o balanço iluminava os rostos dos três amigos individualmente a cada passo dado.

- Renegados, esquecidos, abandonados, traídos. Eu sei como se sentem, e se estão aqui é por questionarem a autoridade Dele. Vocês não estão sozinhos nessa, me sigam que meu transporte está logo ali.

- Quem é você? - questionou Hatset.

- Vocês vão saber em breve, é só me seguirem. - disse o estranho

- Para onde? - disse Sin.

- HexaDuo, lar de Ísis.

Continua...

Por: Tot

As notícias mais quentes