Call of Duty: Black Ops Cold War: Ex-Espião comenta sobre autenticidade do game

30/11/20

Call of Duty: Black Ops Cold War foi lançado no último mês e cativou o grande público tanto pelo seu modo multiplayer quanto pela ambientação e elementos de espionagem da Guerra Fria presentes na campanha do jogo.

O jogo cobre fatos reais da história e mescla com algumas missões do jogo formando uma nova visão sobre os acontecimentos históricos que cercam o jogo e que ficam obscuros para a maior parte das pessoas que acabam não tendo conhecimento, mesmo sendo parte disso ou sofrendo consequências diretas destes acontecimentos, afinal, a Guerra Fria marcou a história não pelos confrontos armados e destruição em massa, mas sim por batalhas silenciosas, espionagem e sabotagem em escala governamental.

Como este período histórico possui estes acontecimentos encobertos do grande público, o portal GameSpot entrou em contato com um ex-agente da Australian Security Intelligence Organization, David Callan que embora atue atualmente como comediante, já foi um espião da agência e possui conhecimento de campo suficiente para dizer o quão autêntico e preciso são a ambientação e missões do jogo.

Callan trabalhou como agente da ASIO durante os anos 80 e 90, período final da Guerra Fria e ainda sim marcado por acontecimentos que reverberaram em toda a história humana como a queda do Muro de Berlim e o fim da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas. Ele participou de operações clandestinas e ilegais (as chamadas Black Ops) e falou um pouco sobre sua experiência em campo.

“O que Black Ops Cold War capta é a gravidade dos operadores de elite que são a ponta da lança da inteligência. Eles não toleram tolos; eles [têm] medo de ir ao extremo, mesmo no treinamento; e eles absolutamente não desistem. Foco puro na missão. Black Ops Cold War acerta isso."

Callan ainda foi além e alfinetou filmes e outras obras de ficção que glamourizam a profissão de espião com gadgets, veículos e vilões megalomaníacos. A ideia central é se misturar, enganar e manipular e não usar relógios caros, carros esportivos e ternos chamativos que te destacam, ao invés de te encobrir.

"Não se deixe enganar pelo tropo de que os espiões são fascinantes. Seu oficial de inteligência é comum. Eles têm que ser! Você não quer intimidar uma fonte potencial; você quer colocá-los à vontade, até mesmo fazer com que eles sintam que têm o controle da situação. As pessoas que não se misturam; elas se destacam, e isso pode ser um problema real. "


Quando questionado sobre a função de mentir, enganar e manipular pessoas e situações, Callan foi bem claro e direto em sua resposta:

"Externamente, eles [os atos] realmente são bastante comuns, mas excepcionalmente perspicazes e focados. Se você tem essa ambigüidade moral e agilidade mental, você pode ser apenas alguém em que a ASIO está interessada, só não espere martinis, smokings e emoções na ponta da cadeira. Não, seu espião normal parece um contador, dirige como um avô e mente como um político. "

Por fim Callan fala um pouco sobre sua carreira na ASIO, as Black Ops e como conseguiu seu apelido "Frosty", além é claro de dizer os motivos que o levaram à carreira de comediante:

"Meu treinamento e experiência foram inestimáveis ​​como comediante, já que a comédia depende da observação e da análise, assim como a coleta de informações. Pegar informações aparentemente não relacionadas para criar uma imagem coerente de um alvo é o estoque e o comércio do espião médio, e é o mesmo para um comediante, só que você está criando piadas em vez de relatórios de inteligência."

Você pode ver a entrevista completa de David Callan no portal GameSpot.

Call of Duty: Black Ops Cold War segue disponível para PlayStation 5, Xbox Series X/S, PC, PlayStation 4 e Xbox One.

Por: PhMordred

As notícias mais quentes